História das Marcas 2018 – Exposição de Vestuário Original de Macau III

Cada história comovente traz por si enredos e elementos extraordinários. O grau de compreensão da história depende da atitude, da curiosidade e do nível de exploração de quem a interpreta. Caminhando pelas ruas e becos, podemos ver pessoas vestidas com o seu estilo próprio e usam roupas com logótipos de marcas variadas, mas o que nós realmente sabemos sobre a história da criação das marcas? Nos últimos anos, o governo da RAEM tem envidado esforços no sentido de promover o desenvolvimento das indústrias culturais e criativas, surgindo assim várias marcas de moda originais e independentes no território. Por esta ocasião, a Galeria de Moda de Macau continua, este ano, a organizar a “História das Marcas 2018 – Exposição de Vestuário Original de Macau”, dispondo de um espaço para que as marcas originais de Macau possam contar as suas histórias ao público, mediante uma recolha pública de histórias das marcas, seguido de uma avaliação e selecção. Esta exposição contará com a presença de seis marcas de moda: I.N.K, Jade.L, alexis jordan, Nega C., Denim works e ella épeler, estando disponível para venda das obras das marcas participantes. A exposição será dividida em três fases, cada uma composta por duas marcas. Na primeira fase, serão apresentadas a I.N.K com o estilo de rua popular e a JADE.L com o estilo neutro. A segunda fase contará com a alexis jordan do espírito metropolitano e a Nega C. do estilo doce e romântico. Na última fase, serão exibidas a Denim works com tecnologias específicas de produção de jeans e a ella épeler com ilustração e totem.

História das Marcas 2018 – Exposição de Vestuário Original de Macau III:

Denimworks Tema da exposição :  “Camoudream”

A presente exposição conceptual tem como tema “Camoudream” de 2017, sendo da co-autoria da Denimworks e do fundador do “Blademark”, Fortes Pakeong Sequeira.

A vida é como o clima, estando em constante mudança, podendo o tempo soalheiro passar a ser chuvoso repentinamente. As tempestades dificilmente previsíveis fazem com que não nos possamos prevenir. Para se salvar, algumas pessoas optam por evitar conflitos e ceder para se protegerem a si mesmas, ou até ajustam a sua própria personalidade no sentido de se adaptar ao ambiente. A fisionomia destas pessoas não é bem definida. Elas perdem-se na vida e deixam simplesmente a sua alma “enterrada num túmulo decadente”, sobrevivendo sem valor neste mundo ao qual falta empatia, mas que se enche com degradação e sangue frio.

No entanto, será que viver desta forma, sem trazer valor, é a única maneira de sobreviver neste tempo de decadência moral?

Não! Mesmo que tenhamos de adoptar uma “cor de protecção”, temos de tornar a nossa vida colorida e enriquecê-la! Temos de viver à nossa maneira!

 

ella épeler Tema da exposição — “Eu Sonho com o Mar”

A exposição debruça-se sobre uma pequena história em que uma menina sonhava nadar no mar e se deparou com uma variedade de seres marinhos. Pelos seus olhos viu a água clara na qual o sol penetrava e nadou livremente neste espaço misterioso, mas belíssimo. A menina recriou em desenhos os seres marinhos que encontrara, salientando a delicadeza do sonho com tons claros e suaves de cor de rosa. As várias camadas de tule transmitem A sensação da água do mar a fluir e a alegria de nadar são demonstradas por várias camadas de tule, enquanto que os desenhos são cobertos por um tecido bordado e semitransparente, criando uma pintura do mar num tom enigmático.

 

E-Book

Estilistas Participantes

Fortes,Pakeong Sequeira
Ella Lei

Fotos

Compartilhar